RAQUEL MELO MORAIS
arquitectura

ALTO DA CRUZ | Casa rural | Obra de Ampliação e Reabilitação

LOCALIZAÇÃO
Alto da Cruz, Aljezur
DATAS
Projecto | 2010
Obra | 2019
CLIENTE
Privado
ÁREA DE CONSTRUÇÃO
212 m2
ARQUITECTURA
Raquel Melo Morais
PROJECTO ESTABILIDADE
Eng. Hugo Soares
ESPECIALIDADES
Eng. Hugo Soares
PAISAGISMO
POLEN | Joana Taxa Figueiredo
O terreno integra-se numa área de Reserva Agrícola Nacional com 3000 m2 e situa-se a nascente da vila de Aljezur numa cota elevada, permitindo uma vista panorâmica sobre o Castelo de Aljezur. O terreno a nascente da casa é relativamente plano mas a poente encontra um desnível em direção à várzea.
A casa existente tem 10 divisões e um forno a lenha integrado na construção. O núcleo central da casa é construído com paredes em taipa que se encontram em bom estado de conservação, sendo que a sul, a norte e uma parte a poente a construção é de alvenaria corrente sem qualidade construtiva e arquitectónica. Propõe-se recuperar a casa em taipa onde ficarão dois quartos e duas casas de banho com um closet central, todos com ligação através de um corredor que liga aos espaços comuns da casa. No espaço novo a norte surgem mais dois quartos. É de salientar que a casa já possuía um desnível no interior e que este se mantém, ajudando na configuração das fachadas e definição das cérceas, acompanhando o declive natural do terreno e trazendo alguma dinâmica espacial. Na ampliação a sul, estarão situados num espaço único a sala de estar, de refeições e a cozinha, dando acesso a uma espaço de lavandaria e área técnica que também tem acesso directo para o exterior. A entrada para a casa faz-se a nascente através de um hall donde se fará a distribuição para as várias zonas da casa. Cria-se um diálogo entre o existente e o novo, recorrendo aos mesmos materiais e soluções construtivas. De forma a privilegiar a deslumbrante vista para o Castelo propõe-se um grande envidraçado, que pode ser fechado e protegido por portadas exteriores em madeira permitindo encerrá-lo, confundindo-se com as paredes.A cobertura do telhado é em telha cerâmica de canudo, que se apoia numa estrutura em madeira e forro em contraplacado bétula. A caixilharia e as portas são em madeira maciça, excepto o vão de correr que se propõe em alumínio. No interior temos as paredes rebocadas e caiadas e o revestimento dos pavimentos em microcimento. Poderá haver a utilização pontual pelo exterior de pedra da região nas soleiras e peitoris. O revestimento dos pavimentos exteriores são em gravilha, microcimento e pedra, o sombreamento é proporcionado por uma pérgola na fachada a poente junto do grande envidraçado, em estrutura de aço lembrando as antigas latadas. Serão plantadas algumas espécies autóctones e árvores de fruto, conferindo um ambiente mais acolhedor em redor da casa, não se perdendo o seu aspecto rural.