Raquel Melo Morais | Arquitecta

Parcerias | Partnerships
Mark

APARTAMENTO JUNQUEIRA - DESCRITIVO DO PROJETO | PROJECT DESCRIPTION

LOCALIZAÇÃO | Junqueira/Belém, Lisboa
PROJECTO | 2012
OBRA | 2017 - 2018
CLIENTE | Privado
ÁREA DE CONSTRUÇÃO | 238 M2
ARQUITECTURA | Raquel Morais - Coordenação
ESTABILIDADE |
ESPECIALIDADES |
CONSTRUTOR | Elias Lda
Este apartamento situa-se num edifício apalaçado que data dos finais do séc. XVIII, recentemente intervencionado nas fachadas exteriores e telhado. A tardoz possuí um agradável jardim comum com piscina. Apresenta várias características de uma arquitectura pós-terramoto, como as paredes mistas, em gaiola e tabiques, portas em madeira com guardinções em madeira e bandeira em vidro, soalho em madeira e janelas em madeira com portadas maciças e tecto em tabuas de madeira encaixe macho-femea e paredes com pinturas murais e azulejos de cerâmica tradicional feitos à mão.
O apartamento foi renovado nos anos 90, pelos arquitectos José Lamas e Luísa Lamas, em que a intervenção se traduz na recuperação dos elementos existentes, em que se destaca a introdução de novos elementos como um duplo vão na fachada principal, uma mezanine no espaço da antiga cavalariça para o aproveitamento do duplo pé-direito, uma nova casa de banho para servir esse espaço e alguns materiais como o mosaico hidraulico preto e branco no pavimento da cozinha e sala de refeições, fazendo cumprir um programa específico de habitação familiar.
Todos esses elementos que datam das duas épocas, vão ser mantidos no seu essencial conservando-se assim a alma dos seus espaços.
A nova intervenção passa por renovar os espaços das casas de banho e cozinha dotando-os de novos equipamentos, o aumento da zona de refeições tornando-a mais ampla, cria-se uma zona de closet e armários de apoio aos quartos e introduz-se um espaço de lavandaria e arrumos.
Os materiais de revestimento são os tradicionais azulejos nas paredes e mosaico hidraulico nos pavimentos das zonas humidas. Mantém-se o soalho em madeira e os tectos existentes recuperando-os, num dos quartos introduz-se uma mezanine para espaço de dormir e noutro, um painel em madeira que serve de divisória entre o espaço de dormir e um novo espaço de trabalho cuja parede é forrada por uma estante em madeira. A introdução de um tecto falso no hall de entrada e corredores de acesso, alinha com o limite superior da bandeira das portas existentes marcando a nova intervenção que, também serve a introdução de novos armários e portas de acesso aos quartos de forma a permitir uma maior privacidade, pois dão directamente para o corredor de entrada da casa. Pontualmente mantêm-se as paredes com pinturas murais como forma de manter as memórias daqueles espaços.